29 de set de 2012

Resenha Presentes da Vida.


Esse é um spin-off do livro O noivo da minha melhor amiga, também da autora Emily Giffin, mas não se preocupe, não precisa ler um para entender o outro. São histórias distintas e independentes uma da outra.
Presentes da vida é o tipo de livro que a protagonista consegue te irritar, mas, no final, você acaba torcendo para que ela encontre um amor verdadeiro e deixe de ser tão egoísta. Darcy Rhone é uma mulher linda e, por causa disso, sempre conseguiu tudo o que queria. Mesmo sendo desejada por todos os homens, ela manteve um noivado de sete anos com Dexter Thaler, o tipo de homem que faz toda mulher suspirar. Seja por luxúria, infelicidade ou tédio, Darcy acaba tendo um caso com o amigo de seu noivo e aí sua vida muda. Muda para pior! Ela descobre algo terrível sobre sua melhor amiga e não consegue perdoá-la, ficando sozinha, pois nunca achou que outra pessoa fosse boa o suficiente para ser sua amiga de verdade. Para ela, os outros são apenas colegas e seus seguidores.
Quando seu novo relacionamento se mostra não ser um conto de fadas, Darcy se vê solitária e infeliz. É quando uma amiga de infância sugere que ela vá para Londres, visitar um amigo em comum. Sem avisar suas reais pretensões de se mudar para a capital inglesa, Darcy diz para Ethan que passará apenas algumas semanas. Semanas que logo viram meses e a reaproximação com o amigo nerd e esquisito de escola, vira um grande aprendizado. Darcy percebe todos os erros que cometeu durante a vida e aprende que perdoar não é assim tão fácil, mas ela aos poucos se adapta a uma nova vida, onde beleza não é tudo.
Darcy é mimada, fútil e alienada. Ela não sabe nada de geografia, matemática ou literatura, mas acha que não precisa saber, afinal, ela entende do que realmente importa: moda, roupas de marca, boates e festas. Essas características podem ser irritantes, mas também rendem grandes risadas. A forma como Emily escreve é leve e fácil, o que facilita o leitor a entrar na narrativa. A relação dela com Ethan é tão verdadeira e real, que você acaba torcendo para que eles sejam felizes. Como todo bom romance, esse tem um final que não vai te fazer querer jogar o livro pela janela e ainda o faz pensar na importância de se perdoar quem a gente realmente ama.
Gostaram??

Nenhum comentário:

Postar um comentário